Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘independente’

Só pra você não esquecer que HOJE Bongs e Vangs tocam na (re?) Inauguração do Sukatta Pub, lugar novinho em folha pra shows e baladinhas. O Sukatta fica ali atrás do Café Cancun e a gente adverte: chegue cedo e garanta seu lugar meio às fãs histéricas. A entrada é 10zão e nós nos vemos lá, tá?

Mais?
Vai ouvindo o melhor do cd ano (na humilde opinião da Rolling Stone) bem aqui.
Ou ouvindo os eternos VMB aqui.

Anúncios

Read Full Post »

Por Luciano Ribeiro
Da Agência Laboratório

 

seda

Esse ano vai rolar a 3° SEDA (semana do audiovisual), que acontecerá nos dias 08 a 14 de dezembro e terá 5 pacotes super legais pra desenvolver a criatividade da galera. Acompanhe a programação.Bom, no primeiro pacote, o cineasta Otavio Pacheco e o “terrorista” audiovisual Daniel Lisboa, mostraram as dicas de como fazer um bom filme (ou não) rs. Essa oficinas aconteceram nos dias 08 a 13 de dezembro no MISC, nos períodos matutino e vespertino.

Você pode futricar a vida dos caras através dos links:
Otávio Pacheco.
Daniel Lisboa.

No segundo pacote, vão rolar debates que objetivam o diálogo entre diferentes núcleos artísticos, tem o objetivo de articular atividades conjuntas entre os diferentes segmentos para fortalecer o surgimento de uma cena independente do audiovisual e refletir acerca de políticas e diretrizes para ela. Você vai ver nas mesas de debates o conselho dos realizadores do evento, todos os dias, entre as 18h e 20h (exceto a mesa Entendendo a Coccar que vai das 8h as 18h). Abaixo o cardápio dos debates:

09/12 – “Como se faz uma Economia Solidária?”
Com Nicolau Priante (Brasil Local – MT) e Pablo Capilé (Espaço Cubo – MT)
Mediador: Ahmad Jarrah (Espaço Cubo – MT)

10/12 – “Rumos da TV”
Com Israel do Vale (Programador Tv Brasil – MG), Tássio Lopes (Coletivo Goma – MG), Trama Virtual (SP), Alto Falante (MG), Massa Coletiva (SP) e Ana (do Sol – RN)
Mediador: Ahmad Jarrah (Espaço Cubo – MT)

11/12 – “Tecendo rede com o Circuito Fora do Eixo”
Com Talles Lopes (Coletivo Goma – MG), Alex Antunes (Rolling Stone – SP) e Mário Olimpio (Secretário Municipal de Cultura de Cuiabá)
Mediador: Pablo Capilé (Espaço Cubo – MT)

12/12 “Sabia que o cinema pode ser portátil?”
Com Pedro Bayeux (Pirex – SP), Daniel Lisboa (Cavalo do Cão Filmes – BA) e Arte.Mov (MG)
Mediador: Ahmad Jarrah (Espaço Cubo – MT)

13/12 – “Entendendo a Coccar”
Com os membros da Cooperativa de Comunicação Cultura e Arte
Mediador: Jan Moura (Confraria dos Atores – MT)

13/12 “A lógica de circular com os cine clubes”
Com Cachaça Cinema Clube (RJ)
Mediador: Ahmad Jarrah (Espaço Cubo – MT)

O terceiro pacote é a vitrine de mostras, a mostra audiovisual e um mecanismo importantíssimo de difusão do audiovisual autoral, experimental, não competitivo e independente. É nela que se absorve atentamente a diversidade de produções e realizadores audiovisuais bem como seus princípios. Essas mostras rolam nos dias 08 a 13 de dezembro, a partir das 20hrs. Vale a pena conhecer as obras dos cineastas e videomakers independentes do Brasil.

8/12 – Daniel Lisboa

9/12 – Otavio Pacheco

10/12 – TVs Alternativas

11/12 – Circuito Fora do Eixo

12/12 – Cinema em Mídias Portáteis

13/12 – Cachaça Cinema Clube

14/12 – Semana do Audiovisual

No quarto pacote é a hora de mostrar que, Cinema + Música + Teatro é uma bela combinação. Principalmente porque o cinema agrega as outras duas com muita facilidade, né? E acrescenta o conceito de integração e intercambio da 3° semana do audiovisual. A festa noturna conta com shows do Linha Dura, Ebinho Cardoso, Vitrolas Polifônicas, Antidemo (SP) e mais uma atração nacional surpresa compõe a programação. Mas como você é quase da família vou revelar qual é, mas não conta pra ninguém, ta? E um super show dos Los Porongas (AC/SP).

O 5° pacote concretiza o conceito de valorização da economia solidária como ferramenta essencial de viabilidade e valorização cultura, abrindo canais para que o público participe dessa construção. Prova disso foi a criação de uma remuneração pelas oficinas do projeto, pautada na troca de serviços ou produtos. E só pra lembrar as inscrições deverão ser pagas em Cubo Card, e uma novidade, o próprio inscrito vai botar preço na sua inscrição a partir do que vai oferecer como contrapartida. Por exemplo, se levo um livro com o preço de Cc$ 20,00 cubo cards ou se ofereço um serviço de design que custa Cc$ 100,00 cubo cards, é esse o preço que dou pra oficina. Cada um paga como quiser e ainda estipula o valor que quer atribuir à sua ‘moeda’ de troca.

 

Mais?
Inscreva-se no www.pacotinhodeseda.wordpress.com
ou baixe a ficha de inscrição aqui
www.cubocard.blogspot.com
E na dúvida, 3023-1794 ou cubovideo@gmail.com

Read Full Post »

ou amigos da reitoria são de dar água na boca

ou amigos da reitoria são de dar água na boca ¹

Hoje, às 18 horas, no Diretório Central dos Estudantes (o DCE) da UFMT tem quebra-pau reunião ampliada. A galera vai discutir a Semana do Calouro 2009 em torno do:

se é melhor para os estudantes realizarem ações em conjunto, ou seja, os diversos grupos que atuam na universidade se aglomerando para melhor mostrar a diversidade que existe dentro dos muros universitários,
* ou se é melhor que cada grupo realize suas ações isoladas, e se mantenham assim, pelo menos na opinião da atual gestão do DCE, “independentes e livre das pressões governistas…”

Pós reunião postaremos aqui neste blog como foi a reunião, quais foram os pocisionamentos das pessoas que lá estiveram e qual a nossa opinião sobre o que é ser independente e livre de pressões governistas.

Lembrando:
É hoje, às 18h, no DCE-UFMT, no RU.
Vá lá e se expresse.

 

¹ – a foto faz parte do banco de imagens da LIFE (a Veja americana) que disponibilizou todo o seu acervo no Google. Argh! Detesto esse imperialismo. 🙂

Read Full Post »

por João Pede Feijão
do Movimento Panamby


Há alguns meses atrás o Dezan chegou em mim, foi direto, me convidando pra coordenar e realizar as pesquisas do documentário do Caximir; o projeto que será filmado nesta terceira edição da SEDA. Emoções a parte, aceitei de pronto. Conversamos sobre as possibilidades e comecei o trabalho com o clipping do Eduardo Ferreira e demos o ponta pé inicial nesta parceria durante a Oficina de Pesquisa e Produção de Roteiro para documentário, que aconteceu no 24h de cultura de 2008, de 06 a 09 de outubro.

O que de mais importante tenho aprendido é a quantidade de coisas importantes, acontecimentos e movimentações acontecidas em Cuiabá que merecem ser documentadas. Por isso é angustiante fazer recortes.

A decada de 80 em Cuiabá foi muito rica, efervescente. A possibilidade de questionar o principal estigma que a nossa juventude carrega, o da Ditadura, precisa ser refletido e considerado. Nós que não vivemos essa época, temos que começar a construir nossas opiniões sobre isso. A revelia do tabu que se construiu em torno da ditadura; de que “só quem viveu o periodo sabe exatamente o que significa”. Precisamos emitir nossas opiniões, construir reflexões, mesmo que estas distõem das reflexões de quem viveu. Afinal de contas isso envolve nossas vidas, nosso cotidiano. Talvez o medo de desrespeitar a sacralidade desses anos “dourados” seja pra mim a principal descoberta.

A nossa geração chega a desejar o retorno da ditadura em função da efervescência cultural e intelectual da época. E isso é muito grave e diz algo importante; nós brasileiros, me parece, nos acostumamos a reação. E a possibilidade documental cinematografica é uma ferramenta espetacular. Acessível. E a nossa juventude deve se apropriar dela.

Read Full Post »

por Vitor Torres
da Agência Laboratório

o confronto

A minha foi mais ou menos há uns dois anos, no meio duma praça lá no bairro do Porto em Cuiabá. Era por volta de meio dia dum dia quente. Confesso, estava um pouco nervoso mas minha parceira Giulia Medeiros, a Caju da Volume, me ajudava a ficar mais tranquilo, dizendo extamente como queria que fosse cada movimento. Me lembro com detalhes da primeira posição, um pouco agachado, fazendo um movimento da esquerda para direita. Depois disso, tudo fluiu com mais facilidade, sempre seguindo as ordens de Giulia. O resultado desse descabaçamento pode ser conferido aqui. Foi a primeira vez que peguei numa camera e fiz o papel de fotógrafo, nesta ocasião, dirigido pela já promissora Caju.

Isso tudo foi durante a 1ª SEDA – Semana do Audiovisual que aconteceu lá no SESC Arsenal em 2006. Quem ministrou as oficinas naquele ano foram os videomakers Paulinho Caruso e Otavio Pacheco, ambos de São Paulo. Nessa mesma primeira semana mais três videos (além do que eu perticipei) foram produzidos, todos sob a direção de pessoas, que assim como eu e Caju, também estreavam por trás das câmeras. Os vídeos estão todos lá no canal youtubiano da Próxima Cena, frente gestora do insaciável Espaço Cubo, responsável pela produção da SEDA.

Em 2008 a Semana do Audiovisual chega a sua 3ª edição e vem subtitulada “Alterna ao Cubo”. Seguindo a mesma linha de como pensar e fazer audiovisual, promoverá por uma semana (a que vem) oficinas, mostras, shows, sempre tentando diminuir a distância do cinema à comunidade e sempre querendo que cada vez mais pessoas queiram o mesmo.

Já deu para sacar que a função da SEDA é fomentar o cenário e formar novos produtores (agitadores) de audiovisual em Cuiabá, mostando-lhes uma alternativa de como se trabalhar com áudio e vídeo, desmistificando a indústria do cinema e trazendo novas mídias (e possibilidades) para mais perto das pessoas. Sem a premissa de emissores e receptores, todo mundo pode.

No próximo post a primeira vez de João Pede Feijão…

Read Full Post »

por toda a equipe Agência Laboratório

O grupo goiano/cuiabano de cantores e músicos, Triêro, já está acostumado com o calor humano (e climático) de Cuiabá, com inúmeras apresentações e visitas. Fez com que o grupo criasse um “apego pela cidade e pelo público”, disse Anthony, um dos integrantes. É bem provável que seja esse apego que fez com que a trupe lançasse o seu segundo álbum aqui e com grande estilo. Atrasados, nossos repórteres contam aqui como foi o lançamento que aconteceu no último dia 25 no Clube Feminino.

‘Ópera de uma Vida Seca’ foi o nome escolhido pro álbum e é realmente uma história baseada no livro, Vidas Secas de Graciliano Ramos. Com doze faixas, esse disco, traz um estilo bem ‘triêro’ de ser, cheio de misturas, sons, e vozes.

Bonus Track

 

O show teve alguns diferenciais: a decoração do palco, as músicas novas, a participação inusitada da cantora Luciana Bonfim e um showzaço a parte da Cia Volta Seca, um grupo de artistas que trabalham com o teatro circense e com fabricação de vários tipos de brinquedos artesanais. Eles tentam resgatar a verdadeira diversão infantil, ou nem tão infantil assim. O Volta Seca desde o principio tem uma ligação muito forte com o Triêro, sendo que alguns integrantes participam de algum espetáculos, contribuindo com a musicalidade das peças. A Cia. trabalhou com fogo, pano e coreografias, abrilhantando ainda mais o evento. Foi um espetáculo marcante, quase uma representação do novo álbum em teatro. Um dos destaques da participação do Volta Seca foi na música ‘Menina de Pano’, quando Marizes, uma das participantes do grupo se vestiu de boneca, mostrando que um brinquedo pode ganhar vida através da imaginação.

A mini-feirinha fez sucesso com suas camisetas, brincos, colares, cds e badulaques. Muita gente passando, olhando, comprando e vendo o que a Volume Grife, a Padam e a artesã Eliane fazem de bonito.

 

O publico já consagrado do Triêro, dançou, cantou, pulou, gritou, mostrando que sabe tudo da banda, ou bando. Que vem realizando uma fantástica participação na cultura regional. E assim foi lançado sem espaço para reclamações, o segundo CD dos garotos, revelando que mesmo na “independência” é possível sim, fazer muita música boa.

A produção
Pra lançar o cd em Cuiabá, o Triêro contou com a produção local do Movimento Panamby, da produtora cultural Carolina Barros e o apoio da Volume. Todos juntos e misturados pra trabalhar em prol da música independente e da formação de público. Dá pra dizer, que o trabalho rendeu, que junto com esses coletivos veio o MIC e suas mídias integradas se dividiram para fazer a cobertura em texto, áudio e vídeo. A Web Rádio MIC especial Triêro já tá no ar e você pode acompanhá-la clicando aqui.

Lembrando do público sempre presente, a equipe do MIC ainda fez toda a cobertura fotográfica dos momentos mais bacanas do show que pode ser conferida aqui. Ainda com fôlego, a equipe reuniu material para compor uma reportagem sobre o grupo, sua trajetória e o novo cd, produto que espera as eleições do conselho terminarem para ser finalizado.

Fim de festa

Pra fechar a noite, Raizera. O grupo de reggae é conhecido das festas da UFMT e arredores. Com alguns covers e algumas músicas próprias, os moços sabem o que fazem e levam o público com eles. A idéia, segundo o vocalista Diogo, é continuar se apresentando e compondo músicas novas, fazer eventos e continuar na ativa. Jah te ouça!

Read Full Post »

por Pricyla Koehler
da Editora Cativa

São 10! E Mais uma vez Mato Grosso é destaque na cena da música independente. Ao todo são 10 indicações de artistas da terra, que concorrem em sete das 22 categorias do Prêmio Dynamite de Música Independente. Lembrando que o prêmio não reconhece apenas o trabalho dos músicos, mas abrange todo o espectro da música independente e de quem as apóia. Então estamos muito bem representados nas categorias: Álbum Indie Rock (Vanguart, Terminal Guadalupe e Revoltz); Melhor Evento (Consciência Hip Hop e Grito Rock); Melhor Casa de Shows (Casa Fora do Eixo); Melhor Produtora/Associação (Espaço Cubo); Banda Revelação (Branco ou Tinto); Melhor Selo (Fora do Eixo Discos) e Personalidade do Ano (Pablo Capilé).

E para essa difícil tarefa de selecionar os indicados ao prêmio, foram consultados mais de 300 jornalistas, produtores e formadores de opinião de todo o país. A escolha refere-se aos trabalhos de destaque no ano de 2007, mas, a critério da curadoria, trabalhos de 2006 e 2008 também podem ser incluídos.

O Prêmio Dynamite surgiu em 2002 com o objetivo de reconhecer o trabalho de quem movimenta a produção independente para consolidar a construção de um mercado musical forte, com estruturas mais sólidas. Em 2005, a premiação teve o patrocíno da Claro e em 2007 dos achocolatados Toddy.

A votação vai até 30 de setembro de 2008 e os resultados serão divulgados em outubro pelo site www.premiodynamite.com.br. Então não perde tempo! Vai lá votar e dar mais essa força pra galera daqui! Aproveita e já conferi a lista completa dos indicados ao prêmio.

Read Full Post »

Older Posts »